sábado, 18 de julho de 2015

COLESTEROL






O colesterol é uma gordura amarela produzida no fígado e normalmente depende do que nós comemos.
E é uma das grandes causas de doenças do coração.
Você certamente já ouviu falar de colesterol bom e de colesterol ruim, não é verdade?
O colesterol bom é conhecido como HDL.
E o ruim, como LDL.
E por que isso?
É o seguinte, o LDL leva colesterol para as células e facilita a deposição de gordura nos vasos.
O HDL faz o inverso, promove a retirada do excesso de colesterol, inclusive das placas arteriais. 
É por isso que o HDL é o colesterol bonzinho enquanto o LDL é o malvado.
O ideal, portanto, é uma quantidade legal do colesterol bom e pouco do ruim.
Geralmente, conseguimos isso por meio de alimentação saudável e exercícios.
No entanto, algumas vezes precisamos de um tratamento mais reforçado.
E, neste caso, a medicina caseira tem ótimas opções.
Veja algumas:

1. Chá de alcachofra: 50 g de folhas de alcachofra em um litro de água durante 12 minutos.

Coe e tome uma xícara (café) duas ou três vezes por dia, longe das refeições.

2. Tintura de alho:  coloque 25 g de bulbos de alho, bem cortados, em 100 ml de álcool de cereais ou cachaça e deixe apurar por 15 dias.

Tome de de 20 a 30 gotas ao dia, diluídas em água.

3. Vinho de cebola: ponha 500 g de cebola fatiada em 1 litro de vinho branco seco e deixe apurar por oito dias.

Adicione 100 g de mel e tome um cálice, duas ou três vezes por dia.

4. Limão: tome pela manhã, em jejum, o suco de três limões diluído em igual quantidade de água durante, pelo menos, dez dias.
Interrompa o tratamento por sete dias e, depois, repeti-lo por mais dez.

5. Tangerina: esmague cinco sementes de tangerina e deixe macerar em um copo d’água durante uma noite.


Tome pela manhã em jejum.


6. Água de berinjela: deixe de um dia para outro uma berinjela cortada em pedacinhos e com casca em 1 litro de água.

Beba 200 mL da água três vezes ao dia por no máximo uma semana.
Depois, beba 100 mL duas vezes por semana, não ultrapassando 15 dias de uso direto.
Faça uma pausa de uma semana, refaça seus exames e observe suas taxas.
Se necessário, repita o tratamento

7. Suco de berinjela e linhaça: bata no liquidificador meia berinjela, 2 colheres (sopa) de linhaça e 200 mL de suco de laranja.

Coe e tome na hora.
A dose recomendada é 1 copo todos os dias, durante 1 mês, de preferência em jejum. 
Faça uma pausa de uma semana, refaça seus exames e observe suas taxas.
Se necessário, repita o tratamento.

8. Maçã: coma todos os dias uma maçã antes do café da manhã.

Se não for orgânica, tire a casca. - See more at: http://www.curapelanatureza.com.br/2015/07/8-otimos-remedios-caseiros-para.html#sthash.rkedAxzu.dpuf


quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Suco detox de uva com água de coco



Essa é uma combinação perfeita de sabor, que vai bem a qualquer hora do dia.
Além de reunir sabores deliciosos, a ideia por trás da mistura de uva verde com água de coco é hidratar até as células. Ao repor sódio e potássio, o suco funciona como um isotônico natural. Por isso, é uma excelente opção de bebida logo após o exercício físico. E também para acelerar os resultados do treino.
Isso porque seus ingredientes garantem um efeito detox, que ajuda a desinchar o corpo e a livrar o organismo de toxinas. O ideal é que você tome pelo menos três copos por dia.  A receita a seguir rende um copo (240 ml), com apenas 50 kcal. Uma versão mais elaborada requer planejamento, substituindo o gelo pelas uvas previamente congeladas.

QUARESMA

Chama-se Quaresma os 40 dias de jejum e penitência que precedem à festa da Páscoa. Essa preparação existe desde o tempo dos Apóstolos, que limitaram sua duração a 40 dias , em memória do jejum de Jesus Cristo no deserto.
Durante esse tempo a Igreja veste seus ministros com paramentos de cor roxa e suprime os cânticos de alegria: O “Glória”, o “Aleluia” e o “Te Deum”.Na Quaresma, que começa na quarta-feira de cinzas e termina na quarta-feira da Semana Santa, os católicos realizam a preparação para a Páscoa. O período é reservado para a reflexão, a conversão espiritual. Ou seja, o católico deve se aproximar de Deus visando o crescimento espiritual. Nesse tempo santo, a Igreja católica propõe, por meio do Evangelho proclamado na quarta-feira de cinzas, três grandes linhas de ação: a oração, a penitência e a caridade.

domingo, 20 de julho de 2014

Micose de unha

Remédios caseiros para micose de unha


  • Misture uma pequena colher de óleo de oliva com 3 gotas de óleo da árvore do chá e aplique diretamente sobre a unha durante 20 dias, alternadamente, isto é, um dia sim outro não;
  • Introduza a unha no sumo de vários limões ou passe o limãodiretamente sobre a unha;
  • Derrame um copo de vinagre de maçã em um recipiente com água. Deixe os pés de molho por 20 minutos e, logo após, seque bem. Utilize um secador de cabelo, em temperatura moderada, para que absorva toda a umidade que possa ter ficado por baixo das unhas;
  • Misture uma pequena colher de azeite de oliva com 3 gotas de óleo essencial de orégano e aplique todos os dias sobre a unha afetada, durante três semanas seguidas;
  • Misture em um esmalte de unhas transparente: 1 dente de alhomuito bem picado, 3 gotas de iodo branco e 7 gotas de limão. Deixe repousando por uma semana e depois aplique uma camada na unha que tiver micose por duas semanas. O esmalte pode ser retirado usando removedor e algodão;
  • Misture 1/2 copo de óleo de rícino com 7 gotas de limão em um recipiente. Deixe os pés de molho nesta mistura. Faça isso por seis semanas consecutivas.  Sempre lave seque bem os pés após o processo;


  • Ferva 5 dentes de alho em um copo de água. Derrame o preparo em um recipiente e, quando o líquido estiver morno, coloque os pés, mantendo as unhas submersas. Deixe agir por pelo menos 15 minutos, em seguida, seque bem. Repita este processo por quatro semanas;
  • Misture o bicarbonato de sódio com água até que forme uma pasta. Utilize um algodão para aplicar sobre toda a unha e, se possível, embaixo dela também (para que entre em contato com a pele). Deixe agir por alguns minutos e, em seguida, seque bem.
  • Coloque para ferver 2 copos de água com 3 colheres de tomilho, durante 5 minutos. Apague o fogo, tape a panela e deixe esfriar. Depois, coloque o preparo embebido em algodão na unha com micose.

quinta-feira, 17 de julho de 2014

BIRINJELA


  • A berinjela tem como vantagem um alto teor de nutrientes e um baixo teor de calorias. Além disso, atua como excelente diurético, combate a retenção de líquidos e sacia a fome;
  • Temos que ter claro que, para perder a gordura abdominal – ou, em outras palavras, perder peso – temos que mudar nossos hábitos. Ou seja, a água de berinjela nos ajudará apenas se mantivermos uma dieta equilibrada e praticarmos pelo menos meia hora de exercícios por dia;
  • A água de berinjela dispõe de propriedades depurativas e desintoxicantes, não contém gorduras, apenas calorias, e ainda assim, poucas. Além disso, seu teor nutricional oferece o necessário para completarmos nossa dieta de maneira adequada e saudável;

SAL NA LIMPEZA DE CASA

Usos do sal na limpeza de casa


  • Elimina toda a sujeira que se produz por queimas ou derramamento nas panelas, frigideiras, panela de pressão, forno e boca do fogão. Aplique bastante sal e retire com toalha de papel.
  • Retira as manchas de vinho dos tecidos, você deve secar com movimentos para cima, aplicando sobre a área atingida uma quantidade generosa de sal. Deixe por alguns minutos e depois enxágue a peça, caso se trate de uma roupa. Se for um tapete, varra e passe o aspirador.
  • Desodoriza e limpa a geladeira. Aplique sal e água com gás na porta e dentro da geladeira por alguns minutos antes de descongelar ou limpar.

Saúde - benefícios do café

Últimas pesquisas: benefícios do café


Como curiosidade e fato interessante a considerar, adicionaremos os recentes estudos publicados na revista norte-americana“Hepatology”, os quais um grupo de pesquisadores da universidade de Duke afirmou, este ano, ter descoberto as benéficas propriedades do café e dos chás para evitar gorduras no fígado.
A cafeína, além de atuar como protetora para prevenir enfermidades, como odiabetes e os sintomas do Parkinson, parece  ser benéfica também para esta doença. Assim, não faz mal ingerir uma xícara de caféao meio dia e outra de chá à tarde. Nossa saúde nos agradecerá.

Dicas de saúde

Uma dieta balanceada será essencial para combater o fígado gorduroso, controlando as calorias, evitando os inchaços, digestõespesadas e a fadiga crônica, associados a esta doença. Assim, a pergunta básica é: O que devo comer?

  • Fibra: Indispensável. Fornece sensação de saciedade e controla o apetite, absorvendo também menos gordura e açúcares.
  • Pão integralarroz e massas integrais.
  • Flocos de aveia ou milho natural para o café da manhã, sem açúcares.
  • Inclua legumes em sua dieta, três vezes na semana, e todas aquelas verduras de folha verde.
  • Evite o açúcar. Utilize a estévia como adoçante, esse talvez seja o único recomendado, já que nem a sacarose nem a frutose são adequadas para o fígado gorduroso. Portanto, procure evitar o consumo diário de fruta, devido seu alto nível de açúcares.
  • Evite leite de vaca: é sempre melhor o iogurte desnatado e o kefir.
  • Incremente as vitaminas A, C, E e selênio em sua dieta, ajudam a prevenir a degeneração celular, por isso, recomenda-se, por exemplo que consuma os seguintes alimentos: peixes, gema deovotomates, brócolis, pimentões, nozes, espinafre, abacates.
  • Quanto ao selênio, poderoso antioxidante e desintoxicante do nosso fígado, podemos encontrá-lo ao consumir pistache, caju,sementes de abóbora, cogumelos, farelo de trigo.
  • O álcool é certamente o que deverá eliminar completamente de sua dieta.
  • limão é sem dúvida uma peça indispensável para o fígado gorduroso, será muito benéfico. Adicione-o a água quando for beber e também em suas saladas. Recomendamos especialmente com cenoura.

sábado, 21 de junho de 2014

SÃO LUIS DE GONZAGA




Luís nasceu no dia 9 de março de 1568, na Itália. Foi o primeiro dos sete filhos de Ferrante Gonzaga, marquês de Castiglione delle Stiviere e sobrinho do duque de Mântua. Seu pai, que servia ao rei daEspanha, sonhava ver seu herdeiro e sucessor ingressar nas fileiras daquele exército. Por isso, desde pequenino, Luís era visto vestido como soldado, marchando atrás do batalhão ao qual seu pai orgulhosamente servia.
Entretanto, Luís não desejava essa carreira, pois, ainda criança fizera voto de castidade. Quando tinha dez anos, foi enviado a Florença na qualidade de pajem de honra do grão-duque de Toscana. Posteriormente, foi à Espanha, para ser pajem do infante dom Diego, período em que aproveitou para estudar filosofia na universidade de Alcalá de Henares. Com doze anos, recebeu a primeira comunhão diretamente das mãos de Carlos Borromeu, hoje santo da Igreja.
Desejava ingressar na vida religiosa, mas seu pai demorou cerca de dois anos para convencer-se de suavocação. Até que consentiu; mas antes de concordar definitivamente, ele enviou Luís às cortes de Ferrara, Parma e Turim, tentando fazer com que o filho se deixasse seduzir pelas honras da nobreza dessas cortes.
Luís tinha quatorze anos quando venceu as resistências do pai, renunciou ao título a que tinha direito por descendência e à herança da família e entrou para o noviciado romano dos jesuítas, sob a direção de Roberto Belarmino, o qual, depois, também foi canonizado.
Lá escolheu para si as incumbências mais humildes e o atendimento aos doentes, principalmente durante as epidemias que atingiram Roma, em 1590, esquecendo totalmente suas origens aristocráticas. Consta que, certa vez, Luís carregou nos ombros um moribundo que encontrou no caminho, levando-o ao hospital. Isso fez com que contraísse a peste que assolava a cidade.
Luís Gonzaga morreu com apenas vinte e três anos, em 21 de junho de 1591. Segundo a tradição, ainda na infância preconizara a data de sua morte, previsão que ninguém considerou por causa de sua pouca idade. Mas ele estava certo.
O papa Bento XIII, em 1726, canonizou Luís Gonzaga e proclamou-o Padroeiro da Juventude. A igreja de Santo Inácio, em Roma, guarda as suas relíquias, que são veneradas no dia de sua morte. Enquanto a capa que são Luís Gonzaga usava encontra-se na belíssima basílica dedicada a ele, em Castiglione delle Stiviere, sua cidade natal.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Elaboração de maquetes

Elaboração de maquete (Liza)
    Para elaborar uma maquete é necessário reservar alguns materiais ou mesmo optar pelo tipo de material que deseja utilizar, a aparência que deseja dar à mesma. Abaixo, dou algumas sugestões que podem ser úteis na hora da escolha:

A base da maquete poderá ser feita com:
1. Folha de isopor;
2.Folha de Eucatex.
3.Tampo de madeira;
4.Tampa de papelão grosso e firme;
5.Folha de papel cartão firme;
6.MDF;
7.Caixa de papelão grande;
8. Caixa de sapato;

Fazendo maquetes...

Existem diversas formas e modos de se construir maquetes. Desde as maquetes ou projetos profissionais até os que trataremos mais especificamente aqui, dentro desta postagem: As maquetes escolares. Utilizadas como modo de trazer realidade às aulas e torná-las mais concretas e dinâmicas, os professores vêm utilizando as maquetes. O problema é que nem sempre elas são construídas em sala de aula ou na escola. E aí surgem as dúvidas, os questionamentos que tentarei sanar ao menos um pouquinho aqui: Afinal, como se faz uma maquete? Que materiais se pode utilizar? Como torná-la real e ao mesmo tempo possível de transportar à Escola? Vamos descobrir isto juntos? (Liza)

    Um modo de fazer maquete que vem sendo muito utilizado é o 'desdobrável', ou a maquete feita propriamente dentro de uma caixa. Pode ser caixa de papelão grande ou caixa de sapato, isto depende do seu projeto e do tamanho que deseja dar a ele.

Aqui logo abaixo coloco as fotos das maquetes feitas pelos aluninhos da Tia Evanildes, em caixas de sapato. Como ela mesma explica:

"A criação dessas maquetes contruídas dentro de uma caixa de sapato veio da necesidade de ter um recurso que explicasse para as crianças com é a vida no campo e na cidade, este é o nosso tema trabalhado nas festas juninas."

Achei lindíssimas as maquetes deles, em caixas de sapato e posto as fotos, aqui, para que possam ter uma idéia de como fazê-las. O tema, neste caso, foi "Zona Urbana e Zona Rural".(http://espacoeducar-liza.blogspot.com.br/)

Na casa de minha cunhada querida Helena Barros.


domingo, 11 de agosto de 2013

SUA VIDA MUDA QUANDO VC MUDA

SUA VIDA MUDA QUANDO VOCÊ MUDA (texto da internet)


Um dia, quando os funcionários chegaram para trabalhar encontraram na 
portaria um cartaz enorme no qual estava escrito: 
"Faleceu ontem a pessoa que impedia seu crescimento na Empresa. 
Você está convidado para o velório na quadra de esportes".
No início, todos se entristeceram com a morte de alguém, mas, depois de
algum tempo, ficaram curiosos para saber quem estava bloqueando seu
crescimento na empresa. A agitação na quadra de esportes era tão grande que foi preciso chamar os seguranças para organizar a fila do velório.
Conforme as pessoas iam se aproximando do caixão, a excitação aumentava:
- Quem será que estava atrapalhando o meu progresso?
- Ainda bem que esse infeliz morreu!
Um a um, os funcionários, agitados, aproximavam-se do caixão, olhavam o
defunto e engoliam em seco. Ficavam no mais absoluto silêncio, como se tivessem sido atingidos no fundo da alma. Pois bem, no visor do caixão havia um espelho... e cada um via a si mesmo... Só existe uma pessoa capaz de limitar seu crescimento: Você mesmo!
Você é a única pessoa que pode fazer a revolução de sua vida.
Você é a única pessoa que pode prejudicar a sua vida e, você é a única
pessoa que pode ajudar a si mesmo.

SUA VIDA NÃO MUDA QUANDO SEU CHEFE MUDA,
QUANDO SUA EMPRESA MUDA,
QUANDO SEUS PAIS MUDAM,
SUA VIDA MUDA QUANDO VOCÊ MUDA!
VOCÊ É O ÚNICO RESPONSÁVEL POR ELA. 

terça-feira, 18 de junho de 2013

ALTO DO BODE

Localizado entre Antonio Bezerra, Henrique Jorge e Genibaú, periferia de Fortaleza, o bairro Autran Nunes é conhecido também pelo apelido de alto do bode. Mas também já foi chamado de Caoca e Alto do São Vicente 


Um bairro com muitos nomes, Autran Nunes, vive um tempo muito diferente de quando era chamado de Alto do Bode. Com um aspecto quase rural, ainda é possível brincar na rua com os amigos e conversar com a cadeira na calçada (Foto: ALEX COSTA) No início, era tudo barro vermelho. E muito mato. Autran Nunes chamava-se Alto do Bode. E a fama não era das melhores. Diziam que lá só dava ladrão. E gente morta aparecia vez por outra no meio dos arbustos. A dona-de-casa Raimunda Sousa de Carvalho, 82, mais conhecida como Dona Calunga, sabe bem da história. Foi uma das primeiras a chegar ao bairro. Sentada no alpendre de casa, na rua Professor Virgílio de Moraes, 364, ela foi encontrada por acaso pelo O POVO. Coisa do destino. E lá estava a memória viva da região. Moradora do Autran Nunes há mais de 40 anos (ela já perdeu as contas do tempo exato), Raimunda mudou-se para o bairro com o marido Raimundo Gomes de Carvalho, apelidado à época como Gás, e mais sete filhos pequenos. O lugar era quase completamente desabitado. "Era como no sertão. Só tinha muito era cobra. Nesse tempo era tudo deserto. Não tinha nem estrada. Só tinha uma casa na frente. Não tinha cerca, não tinha nada", lembra. 

No ido dos anos 1960, quando a iluminação do lugar era na base do botijão de gás, ela abriu um comércio que virou ponto de encontro. Segundo Raimunda, eram mais de 40 litros de refresco por dia que não davam conta da demanda. "Minha bodega era cheia de ladrão, mas eu não tinha medo não", conta. Nessa época, o bairro já era conhecido pela alcunha de Alto do Bode. Quem denominou, segundo Raimunda, foi o seu próprio marido (que morreu nos anos 1970 e hoje dá nome ao Centro de Aprendizagem e Integração de Cursos - Caic do bairro). Pelo menos uns 50 anos atrás, o casal morava ainda no bairro ao lado, o Antonio Bezerra, onde mantinha uma criação de cabras. Nesse tempo, o vizinho, que também criava bodes, sentiu falta de um par de novilhos. Deram conta de que os animais estavam amarrados no Alto do São Vicente (a região onde fica o atual Autran Nunes, que, num primeiro momento, ainda teve o nome de Caoca). Os novilhos não foram recuperados nem o ladrão localizado, mas a nova alcunha pegou (e o tom pejorativo também). Mais tarde, arrependido, finado Gás tentou de tudo para fincar o nome Alto do São Vicente com placas e faixas. Foi em vão. Depois, segundo Dona Calunga, o marido resolveu batizar o bairro com um novo nome: Autran Nunes, em homenagem a um juiz amigo. 

Ainda hoje o lugar é lembrado pelo antigo apelido. "Não gosto não. Isso discrimina demais. O nome certo é Autran Nunes", diz a líder comunitária Dalvina Linhares da Silva, 60, moradora há 32 anos do bairro, que recebeu o Vida & Arte Cultura, na sua casa, na rua Tomaz Cavalcante. Ela lembra que, por muito tempo, até mesmo os taxistas se negavam a entrar nas ruas do bairro. Na parada de ônibus, ela ouvia piadas. Hoje a líder comunitária garante que a situação é bem diferente. "Aqui é tranquilo. Já foi mais violento. Antigamente (entre anos 1970 e 1980) tinha um forró nessa rua (Tomaz Cavalcante) que matavam muita gente. Hoje é dentro do normal. De vez em quando, tem brigas. Em 15 dias, matam um. Onde corre droga, corre violência", diz. Mas nem todo mundo quer enterrar a história dos bodes. "Eu continuo até hoje, apesar de ter mudado para Autran Nunes, considerando Alto do Bode. Eu acho até bonito", diz a comerciante Cosma Souza Carvalho, 46, filha de finado Gás e Dona Calunga. Com duas filhas para criar, Cosma mantém um bar ao lado da casa da mãe, mas só vende cachaça até às 10 horas da noite para evitar qualquer transtorno. 

Apesar de tantas histórias de sangue, o bairro - que registra mais de 60 anos - parece uma cidadezinha de interior. Cadeira na calçada é o dia todinho. Conversa de comadre na janela e papo no pé do muro também. As pessoas ocupam as ruas. À pé, de bicicleta. Quase todo mundo se conhece. O horário da calmaria geral é ao meio-dia. O comércio fecha, as portas das casas também. Tudo fica na grade e no cadeado. É um silêncio só. Hora de almoçar e dormir um pedaço. (E proteger-se de qualquer tentativa de assalto, muito comum por essas horas). As construções modestas são todas coladas umas nas outras, formando uma paisagem irregular. A maior parte das casas é de alvenaria. Algumas de taipa são vistas às margens do rio Maranguapinho e da Lagoa do Genibaú. Nesta época do ano, quase todas as paredes estão pintadas pela propaganda de candidatos às eleições. 

Mesmo com o pouco tráfego de veículos, até as ruelas são asfaltadas. As principais vias são a avenida da Liberdade, a rua Professor Virgílio de Moraes (a única por que passa linha de ônibus) e a rua Tomaz Cavalcante (onde fica o posto de saúde, duas igrejas católicas e uma creche). O ponto de encontro do bairro é a Praça da Lagoa. Aos domingos, dizem que o lugar fica lotado. Toca funk e falta espaço para a criançada brincar. Fim de tarde, a caminhada é no calçadão do rio Maranguapinho, ainda que poluído. O ganha pão da população local é mesmo o comércio. Tem de tudo. Oficina de bicicleta, borracharia, mercearia, bares, salão de beleza, papelaria, lanchonete, miudezas em geral. Tem o Studio Fashion Hair, MG Variedades, Mercadinho Francisco, Drink´s Bar, Bar Márcio e Oficina O Gerardo, entre outros tantos, muitos de porta e janela. "Hoje o Autran Nunes está bonito. Tá mais diferente. Tem ruas abertas, quase todas no asfalto. Tem escola de 2° grau, posto de saúde, praça. Iluminação tem por todo canto, saneamento. Tem o calçadão, que tá muito bonito. Quem te viu e quem te vê", orgulha-se Dalvina, ao lado do marido Expedito Neri, 71, funcionário público aposentado, com quem criou seis filhos. 

À tardinha, o ritmo segue lento. Diante de um pôr-do-sol deslumbrante de alaranjado, a criançada brincava no parquinho na Praça da Lagoa do Genibaú, que divide um bairro do outro. Balanço, escorrega, campinho de futebol, pipa. O forró truava - sem incomodar ninguém - num bar do outro lado da rua, onde estava escrito na parede o agrado da casa: "panelada, sarrabulho, bisteca, caldo e calabreza" (assim com "z" mesmo). Um cavalo pastava sozinho na vegetação da lagoa, suja e quase seca. O churrasquinho começava a ser montado na calçada. O estudante Elineudo dos Santos, 10 anos, morador do bairro, era um dos que brincavam por lá. O menino posou para fotos com a camisa de Ronaldinho, número 10 da seleção brasileira de futebol. Como qualquer menino dessa idade, gosta de jogar bola. Logo depois da escola, a praça é o seu lugar. Dele e de tantos outros. Animados com a presença do fotógrafo, numa terça-feira qualquer, meninos e meninas posavam satisfeitos para as lentes. O dia se despedia e era hora de voltar. Com um bucólico Autran Nunes na cabeça. 

Fonte: Jornal O Povo

terça-feira, 19 de março de 2013

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

O olho

“O olho é um farol de luz que flui e afecta profundamente cada uma das células do corpo, inundando-o com um chuveiro de vitalidade invisível. Quantas vezes já se viu forçado a virar a cabeça, só para encontrar alguém a olhar na sua direcção? A causa desta reacção é a percepção subconsciente da luz concentrada na sua direcção...”


Licença: 
CC Attribution 2.0